Monogamia ou Monotonia?



Infidelidade  - sem ela, as novelas não teriam a menor graça – ou seriam muito menos apimentadas. Pense nos milhares de letras de tango e de bolero, nas canções cheias de dor de cotovelo ou de romantismo descabelado e crespo. Ela aparece em toneladas de filmes, romances, peças de teatro, poemas. Ocupa grande parte das conversas entre vizinhos, amigos e colegas de trabalho. E pode estar dentro de você.

Recentemente foi publicado, nos Estados Unidos, um livro do psicólogo David Barash e da psiquiatra Judith Eve Lipton onde se procura destruir o mito da monogamia. Escrito com enorme graça e fluência, The Myth of Monogamy: Fidelity and Infidelity in Animals and People (“O mito da monogamia: fidelidade e infidelidade em animais e pessoas”) é uma bordoada erudita na propalada ideia de que homens e mulheres seriam naturalmente predispostos a viver juntos até que a morte os separe. Barash e Lipton mostram que são outras coisas – bem distantes das coloridas certidões de casamento e de funestos atestados de óbito – que costumam unir ou desunir os casais.


Barash e Lipton afirmam que, entre os humanos, a monogamia é um misto de preceitos religiosos, pragmatismo económico (como a necessidade de regular o direito à propriedade privada), um toque de influência social (reconhecimento da prole), e uma dose de comodismo. “Nem todas as pessoas estão dispostas a frequentar o instável e arriscado mercado dos encontros”, explicam os autores. Mais: que, além desses fatores, a monogamia existiria única e exclusivamente devido ao empenho isolado e contínuo de cada casal. “O mais poderoso mito que envolve a monogamia é aquele que diz que, ao encontrarmos o amor das nossas vidas, nos dedicaríamos inteiramente a ele”, afirma Barash. “A biologia mostra que há um lado irracional e animal no comportamento humano.

A sociedade cria freios para tolher esse “lado irracional”, dizem Barash e Lipton. A condenação do adultério pelo sexto mandamento é um exemplo disso. No entanto, a Bíblia contém vários personagens que "pulavam a cerca". Consta que o rei Davi mantinha seis esposas e Salomão era notório pelas suas 700 esposas e mais de 300 concubinas. O imperativo da monogamia, mostram os autores, surge quando as sociedades passam por processos de normalização, como criação de propriedade privada e toda a legislação ligada ao direito de herança e sucessão. O que não quer dizer que isso tenha ocorrido em todas as culturas humanas. Muitas delas, ao contrário, parecem estimular a parceria múltipla.


Variedade é a palavra de ordem na natureza... 


E por que simplesmente as mulheres não se dedicam à prática monogâmica? Afinal, tratando-se de humanos, não dá para reduzir a discussão a critérios biológicos. Há entre nós fatores mais complexos, como o amor. “Mulheres preferem esperar e escolher”, explica Barash. Por isso é que às mulheres pode ser atribuída a tarefa de uma seleção mais rigorosa dos parceiros, o que depura a espécie e garante a plena sobrevivência de uma linhagem saudável.


Ao contrário dos homens, cuja estratégia evolutiva é dispersar o sémen pelo mundo fora, as mulheres optaram por ser "objeto" de disputa. Não é à toa que, no vasto mundo animal, é o macho que dispõe de “armas” (penas coloridas, grandes chifres, músculos cultivados em academia), todas surgidas da competição e dos rituais de corte entre machos e fêmeas.


O que nenhuma explicação científica parece dar conta é do componente fundamental das relações humanas: o amor. Sentimentalismos (e biologia) à parte, é o amor que sedimenta o envolvimento entre dois humanos que se gostam. O amor pode até ser uma invenção cultural – assim como a própria monogamia entre muitas sociedades –, mas o homo sapiens é formado por um feixe de elementos culturais.



Adaptado do original de Mega arquivo



Enviar um comentário